"As pessoas querem perguntar sobre minha vida, mas se vocês simplesmente olharem para as coisas que eu escrevo, ai sim saberão de toda minha história." (Marilyn Manson)

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Ser mãe...

Recebi hoje por e-mail esse texto maravilhoso no qual me identifiquei demais!
Emotiva como sou, chorei sem perceber...
Não só por eu ser mãe, mas principalmente por eu ser filha...e neta...e sobrinha!
Costumo dizer que tirei a sorte grande em nascer na família da qual faço parte e sinto orgulho! Não é um orgulho hipócrita, daqueles que dizemos ter só pra ficar "bem na fita", é um orgulho do tipo "quando eu crescer quero ser igual a elas!". 

Fiquei adulta, fui mãe, sou mãe...cometo erros, mas são nessas falhas que tento aprimorar a arte de acertar. Sei quando acerto no momento em que recebo um afago minutos depois de dar um castigo ou cometer exageros...coisas de mãe!

Tenho todo amor do mundo...mas não sou de ferro! Estou a anos luz de ser perfeita...às vezes bate aquela vontade de sumir, desaparecer...
"- Acho que não vou dar conta!" eu penso -  Aí vem aquela angústia, uma impotência sem fim...mas milagrosamente, do nada, surge uma força, sabe-se lá de onde e tudo passa! CLICK!!!! Em seguida os devaneios se vão porque chegou a hora de cumprir as tarefas dos dia-a-dia que, direta ou indiretamente, são direcionadas à eles. 
E renovam-se os ânimos...e a vida continua, firme e forte! 



"Mãe é aquele ser estranho, louco, capaz de heroísmos, dramas e breguices com a mesma fúria; paga mico, escreve carta para Papai Noel, se faz passar por fadinha do dente, coelho da páscoa, cuca, pede autógrafo para artistas, assiste a programas, peças, shows horríveis, revê milhares de vezes os mesmos desenhos animados, conta as mesmas histórias centenas de vezes, vai pra Disney e A D O R A! 

Mãe faz escândalo, tira satisfação com professor, berra em público, dá vexame, deixa a gente sem graça, compra briga; é espaçosa, barulhenta, tendenciosa, leoa, tiete, dona da gente.

Mãe desperta extremos, ganas, irrita, enlouquece, mas... É mãe. 

Mãe faz promessa, prestação, hora extra, pra que a gente tenha o que é preciso e o que sonha. Mãe surta, passa dos limites, às vezes até bate, diz coisas duras; mãe pede desculpas, mortificada... Mãe é um bicho doido, louco pela cria. Mãe é Visceral!
Mãe chora em apresentação de balé, em competição de natação, quando a filha menstrua pela primeira vez, quando dá o primeiro beijo, quando vê a filha apaixonada no casamento, no parto... Xinga todo e cada desgraçado que faz a filha sofrer, enlouquece esperando ela chegar da balada...Mãe é uma espécie esquisita que se alterna entre fada e bruxa com um naturalidade espantosa. 

É competente no item culpa e insuperável no item ternura, mas pode ser virulenta, tem um lado B às vezes C, D, E... Mãe é melosa, excessiva, obsessiva, repulsiva, comovente, histérica, mas não se é feliz sem uma. Mãe é contrato: irrevogável, vitalício instransferível! 

Mãe lê pensamento, tem premonição, sonhos estranhos. Conhece cara de choro, de gripe, de medo; entra sem bater, liga de madrugada, pede favor chato, palpita e implica com amigos, namorados, escolhas. Mãe dá a roupa do corpo, tempo, dinheiro, conselho, cuidado, proteção. Mãe dá um jeito, dá nó, dá bronca, dá força. Mãe cura cólica, porre, tristeza, pânico noturno, medos. Espanta monstros, pesadelos, bactérias mosquitos, perigos. Mãe tem intuição e é messiânica: Mãe salva. Mãe guarda tesouros, conta histórias e tece lembranças. Mãe é arquivo! 

Mãe exagera, exaure, extrapola. Mãe transborda, inunda, transcende. Ama, desmama, desarma, denota, manda, desmanda, desanda, demanda. Rumina o passado, remói dores, dá o troco, adora uma cobrança e um perdão lacrimoso.
Mãe abriga, afaga, alisa, lambe, conhece as batidas do nosso coração, o toque dos nossos dedos, as cores do nosso olhar e ouve música quando a gente ri. Mãe tem coração de mãe! 

Mãe é pedra no caminho, é rumo; é pedra no sapato, é rocha; é drama mexicano, tragédia grega e comédia italiana; é o maior dos clássicos; é colo, cadeira de balanço e divã de terapeuta... Mãe é madona-mia! É deus-me-acuda; é mãezinha-do-céu, é a que padece no paraíso enquanto nos inferniza... Mãe é absurda e inexoravelmente para sempre e é uma só: não há Mistério maior! Só cabe uma mãe na vida de uma filha... e olhe lá! Às vezes, nem cabe inteira. Mãe é imensurável! 

Mãe é eterna, não morre jamais. Bicho estranho, entranha, milagre, façanha, matriz, alma, carne viva, laço de sangue, flor da pele. Mãe é mãe, e faz cada coisa..."

3 comentários:

  1. Dai, como vc disse no email, este texto combina com vc, com sua mãe, com sua avô... combina comigo e com minha mãe tb... aliás ele combina com toda mãe que é louca por seus filhos! Muito verdadeiro.
    Arlete

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Arlete, querida!!! Amo seus e-mails...compartilha-los é uma deliciosa oportunidade de propagar o que eu sinto no momento em que recebo!!!
      Obrigada SEMPRE, mamãe da linda Isabela!!!!
      Beijos Mil!!!

      Excluir
  2. É isso aí Dai, temos que ter força na peruca, rsrs!!!!Nosso dia a dia é mais ou menos assim, mãe é isso tudo e um pouco mais... O importante é persistirmos em nossa jornada, que além de tudo já falado, acredito que ser mãe é uma missão dada por Deus...

    ResponderExcluir

...

myfreecopyright.com registered & protected